Colcha de Retalhos

"O homem é um deus quando sonha e não passa de um mendigo quando pensa." Holderlin

Textos

SALA DE ESPERA
Sala de espera. Entre as quatro paredes do pequeno ambiente, espero ser atendida. O verbo me questiona: Aguardo? Tenho esperança? Confio? Um sujeito paciente atormentado por interrogações.  Quem espera depende da ação do outro. Aguardo e basta.

Não sei se tenho esperanças ou se já me sinto segura à margem das minhas expectativas. Posso ler revistas, questionar o problema dos outros, retirar os supérfluos da bolsa, mas a ação é clara, aguardo o que está além da espera.

Rendo-me às incertezas e, com um olhar abandonado, tento em vão angariar a compreensão dos outros. Mas cada qual busca o próprio complemento. Esperar não é mais intransitivo, é um verbo em busca da primeira pessoa, direto, indireto, confessional, reticente...

Procuro um dicionário entre as diversas revistas e o Novo Testamento espalhados na sala. Talvez tudo não passe de uma cilada do idioma. Tento a solução do conflito em outras línguas. Em italiano, attendere é aguardar e sperare é ter esperança - é stanza di attesa e não stanza di speranza. Em inglês, wait e hope; em francês, attendre e espérer. São distintos os vocábulos e não se confundem. Quem espera não necessariamente tem esperança.

"Senha 263"

Sala cheia. Ainda uma dezena. Espero porque aprendi a esperar antes mesmo das mais remotas lembranças. Já não tenho ilusões quanto à pluralidade de significados. Aguardo e basta.

"Senha 264!"

Ainda espero...

Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 23/02/2010
Alterado em 08/07/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Helena Sut). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras