Colcha de Retalhos

"O homem é um deus quando sonha e não passa de um mendigo quando pensa." Holderlin

Textos

SALA DE ESPERA (DELEGACIA DA MULHER)
Não foi sem constrangimento que entramos no prédio da Delegacia da Mulher. Acho que o passo foi mais coator do que as ameaças. As cadeiras na sala de espera estavam dispostas como numa sala de aula e, após pegarmos a senha, ficamos aguardando sentadas junto às demais.

Logo na primeira fila estava uma mulher toda machucada. Havia sido espancada pelo companheiro e não era a primeira vez. Já passara outras vezes pela delegacia, muitas ocorrências, mas nenhuma representação. Não consegui definir sua idade ou ter uma impressão precisa sobre o seu aspecto. Sua face estava inchada e com marcas de sangue coagulado. Um olho não abria. Ela chorava alto, falava alguns palavrões e depois mergulhava num silêncio profundo. Acho que, por mais absurdo que possa parecer, encontrava alguma culpa. Depois de algumas formalidades, ela foi encaminhada a um abrigo.

Naquele momento compreendi que culpa é substantivo feminino.

Não demorou e a sala estava repleta de mulheres dos mais diversos perfis. Na maioria dos casos era difícil reconhecer vítimas e acompanhantes. A violência muitas vezes não é tão aparente e pode estar entranhada em palavras, silêncios e gestos. Aliás, violência também é substantivo feminino.

Em pouco tempo, todas éramos solidárias e partilhávamos os estilhaços de alma. Ameaça, maus-tratos, agressão, constrangimento ilegal, difamação... Desfechos de enredos pontuados por sinais amarelos. Desatenções e justificações ao perigo. Um mosaico de tipificações e a representação da paixão de cada uma das mulheres, mas não necessariamente vítimas. Apesar de vítima também ser substantivo feminino.

A primeira impressão da mulher espancada foi dissolvida num ir-e-vir de mulheres comuns e abatidas. Muitas ainda calçavam sapatos altos reluzentes. Existem momentos em que é preciso descer dos saltos (no sentido figurado) e denunciar sem deixar de perder a identidade feminina. Algumas mulheres viam aquele momento como um grito, um divisor de águas, outras, infelizmente, como a real impossibilidade de viver.

Acho que o caso mais triste era o de uma senhora octogenária que, depois de cinqüenta e seis anos de casada, estava suportando os maus-tratos do marido e de sua jovem amante instalados em sua casa. Ela não conseguia suportar a idéia de separação, mas não podia continuar sujeita às ameaças e aos constrangimentos. Os filhos dela tinham vidas próprias - não sabiam ou fingiam não saber.

A troca de vivências quebrou os vestígios de vergonha e alertou para alguns sintomas aos quais devemos estar atentas. Quando saímos, denunciante e testemunha, percebemos como a violência é uma presença silenciosa e já não conseguíamos identificar quem havia feito a ocorrência.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 12/02/2010
Alterado em 12/02/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Helena Sut). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras