Colcha de Retalhos

"O homem é um deus quando sonha e não passa de um mendigo quando pensa." Holderlin

Textos

SALA DE ESPERA (CARDIOLOGISTA)

Primeira vez no cardiologista. Até então vivi em harmonia com as palpitações, registrando algumas circunstâncias para justificar a disritmia e a memória corporal de alguns apertos no peito. Sem grandes sobressaltos. Problema de coração só enquanto metáfora, pois, na marcha dos anos, os batimentos permaneceram como um tambor surdo a ditar o ritmo de algumas vivências, nem sempre com melodias agradáveis.

A sala de espera está cheia, o médico atrasado e os pacientes ansiosos. Espalhadas, nas mesas de centro e laterais, revistas médicas abandonadas. Ler sobre doença à beira do eletrocardiograma pode causar alterações. Causa-me estranhamento a ausência de revistas de fofocas ou de política. Mas... Como em toda a primeira vez estou focada no objetivo sem me deixar prender nos detalhes.

Observo discretamente as pessoas. Começo com as sombras e a percepção dos gestos, até encontrar o olhar da senhora octogenária, sentada a minha frente, acompanhada provavelmente pelo filho. Ela me fita com o olhar travesso enquanto segura as mãos como uma criança indócil. Sorri com ternura. Sua demonstração de afeto me dá segurança. Afinal é só uma consulta de rotina. Mas quando deixam de ser rotina?

A senhora se apresenta. Sofia. Começa, sem grande introdução, a contar os principais fatos da sua vida. Coisas do coração e não propriamente do músculo. Seu filho, agora já reconhecido, fica um pouco constrangido, mas a senhora continua a narração de sua vida com paixão, do casamento à viuvez, do nascimento ao renascimento com os impulsos elétricos de um marca-passo...

Ela está animada. Há poucos meses estava quase desenganada, mas após a introdução do marca-passo sente-se rejuvenescida e já começou até a freqüentar uma academia de hidroginástica. O médico está animado com a recuperação e com os novos exames. Deixou de comer carne vermelha e alguns vegetais, mas não abandonou o hábito de beber uma taça de vinho.

“Nada é mais tranqüilizador do que dedilhar a margem de uma taça de tinto bordô. Dá um novo sabor a geografia das noites. O vinho é uma aurora de revivescências.”

Começo a confessar algumas experiências amorosas. Sinto o coração mais forte. Mas, no auge de nossa degustação de prazeres, somos interrompidas pelo comentário seco da senhora sexagenária sentada ao meu lado.

“Coloquei o marca-passo e não adiantou nada. Volta e meia sou internada.”

Olho para o lado, assustada. Não perguntamos nada e de repente aquela senhora se intromete como um cinzel a retalhar o nosso centro de sentimentos. Vejo quando Sofia contrai as pernas e aperta as mãos com ansiedade. Abandonou a suavidade do riso e agora se esconde entre as rugas realçadas do olhar coagido. O doutor chega e logo a chama. Uma rápida despedida.

Permaneço com um aperto no peito sem saber como me comportar diante da senhora intrometida que insiste em relatar com detalhes suas desventuras e internações. Coisas do coração e não propriamente do músculo. Encontro refúgio numa revista e mergulho num artigo sobre colesterolemia.

Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 11/02/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Helena Sut). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras